11 de abril de 2010

PROCISSÃO - ACOMPANHAMENTO

Procissão Marítima de Nossa Senhora dos Navegantes
(CLIQUE NA FOTO PARA AMPLIAR)

Era, provavelmente, um belo dia de sol quando aqueles quatro experientes pescadores da ilha resolveram partir para mais um dia de trabalho, com a bênção do seu padroeiro, com a autorização de Bom Jesus dos Passos, soberano daquelas terras e mares. Mas de uma hora para outra o tempo virou, e com ele virou também a velha e frágil embarcação. E depois da tempestade não veio a bonança. Durante dois dias e duas noites, os quatro pescadores ficariam à deriva, sobrevivendo apenas às custas da fé, há séculos mantida pelos seus antepassados. Foi quando um deles decidiu fazer uma promessa a uma outra santidade de sua devoção: Nossa Senhora dos Navegantes. Caso sobrevivessem, fariam anualmente uma procissão pelo mar, levariam a santa todos os anos para passear nas águas da baía abençoada por todos os santos. Pouco tempo depois, os velhos marinheiros seriam salvos e logo em seguida dariam início àquela que hoje é reconhecida como a maior procissão marítima realizada na Bahia.

De acordo com os moradores mais antigos da ilha, foi no ano de 1902 que ocorreu o naufrágio e o início da procissão de Nossa Senhora dos Navegantes. Lá, muitos ainda se lembram do nome dos pescadores que ficariam 48 horas à deriva, para em seguida criar o belo ritual do catolicismo popular. Foram Aniceto Costa, Herculano Mulato, Heliodoro Rosa e Cassemiro José dos Passos.

Logo no primeiro ano, os pescadores devotos, católicos fervorosos, colocaram a bela imagem de Nossa Senhora em uma caixa de sapato e a levaram em uma embarcação construída exclusivamente para esta finalidade. No início, o acompanhamento era feito apenas por barcos à vela, que partiam de Bom Jesus em direção à secular Igreja do Loreto, na ilha vizinha dos Frades. Em pouco tempo, outros barcos passaram a segui-los e assim começou a procissão, que na Ilha de Bom Jesus dos Passos é chamada de "acompanhamento".

Em pouco tempo, várias embarcações de pescadores católicos também seguiriam aquele ritual de fé em homenagem à padroeira dos navegantes. Anos depois, o acompanhamento se estendeu até a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, estabelecendo desde então uma forte ligação com este lugar. Lá, é rezada uma missa em intenção a Nossa Senhora, com a adoração da imagem trazida pelos marinheiros. "Por causa deles, nós tomamos essa devoção a Nossa Senhora dos Navegantes. A festa antigamente era no dia de Reis, em 6 de janeiro. Deixou de ser na época de Castelo Branco (1964-68) e passou para o segundo sábado de janeiro, porque aí todo mundo poderia ir", informou Agolinda Passos, neta de José dos Passos, um dos pescadores que inauguraram a tradição.


(CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR)